Síndrome de Estocolmo

Síndrome de Estocolmo, também conhecida como “Vinculação Afetiva de Terror”, é um estado psicológico adoecido que as vítimas encarceradas desenvolvem um relacionamento afetivo com seu raptor. Um sentimento de lealdade e solidariedade com seu “algoz”. Esse termo foi utilizado pela primeira vez pelo criminalista e psiquiatra Nils Bejerot após examinar os reféns de um assalto a um banco na Suécia, em 1973, e verificar que eles desenvolveram uma resposta afetiva em relação a seus seqüestradores.

Faço esta introdução para falar de uma situação análoga, naturalmente guardando o distanciamento equivalente da circunstância. O prefeito Rodrigo Neves ao sair da prisão recentemente, após um período preso acusado de corrupção, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro (e público) e outros artigos referentes e desenvolvidos pela situação criminal, atingiu o seu pior índice de rejeição da população de Niterói.

Defesa à parte, declarações de defesa bem elaboradas, auto vitimização e outros artifícios do marketing, muita cooptação e financiamento de veículos de imprensa, foi aos poucos, ficando “bonzinho”, coitadinho (diga-se de passagem, existiram erros processuais maldosos para forçar uma delação premiada), e pasmem, apresentou-se religioso! O tempo foi passando, ele foi ficando confiante e endurecendo lentamente a até tornar-se o ditador municipal, durante a pandemia. Com pretextos de salvar a população, fechou o comercio, ruas, proibiu acesso as praias, mandou e desmandou com ares bolsonaristas. E enganam-se os que pensam que políticos ditos de esquerda (se apropriam de tudo que é humanismo, solidariedade, defesa dos fracos e oprimidos), não são tão autoritários e opressores, como qualquer direita radical. Às vezes são mais fascistas que os próprios, e que Stalin não me deixe mentir.

Mas, Rodrigo, ao contrário do que muitos pensaram e alguns até torceram, não sucumbiu e ainda aumentou a sua popularidade. É claro que não se pode tirar o mérito da sua competência e tenacidade. Ele de forma maníaca trabalha o tempo todo, que parece que nem dorme; inclusive pensando em criar novas proibições, onde possa exercer obsessivamente a sua autoridade radical e com ares de um tirano de aldeia. Rodrigo tem mania de mandar. Manda até na inutilidade e a torto e a direita. O que importa é mandar. É orgástico, embora desprezível.

E daí, me ocorreu a analogia da “Síndrome de Estocolmo”. Rodrigo se aproveitou da pandemia para realizar o que quis, “alugando” um hospital por um preço que daria para comprá-lo, definitivamente. Mandou o morador de Itacoatiara e Praia de Itaipu andar uns quatro quilômetros, para que os ônibus não tivessem acesso, como pretexto de evitar visitantes e aglomerações nas praias. Na sua lógica, (que é bem burguesa), considerou que todo morador daquela Região possui condução própria, e por esta razão nada mudaria a rotina de todos. Que ledo engano... Nem todo mundo tem carro, ou moto e até bicicleta. Os trabalhadores, os prestadores de serviço na região, que são muitos, foram penalizados pela autoridade despótica, além de milhares de moradores de menor renda.

Mandou sitiar a cidade e seus comandados impediram o ir e vir como uma norma de segurança. Quanto marketing perverso...

Se eu for descrever todos os atos de totalitarismo do alcaide, teria que escrever muitas, e muitas páginas. Mas, como este jornal aqui não tem financiamento público municipal, nem outro qualquer, senão o trabalho comercial seria desperdiçar nossos recursos ganhos na luta verdadeira, para narrar tanta insensatez.

Faço apenas a observação: depois de nos encarcerar, punir e maltratar subiu a popularidade do Rodrigo Neves. Seria mais um caso de Síndrome de Estocolmo? Ou mesmo subserviência da desinformação, sufocada pela mídia milionária que é imposta a população? E quer nos impor um pupilo para salvaguardar a sua contabilidade.

A mídia, em geral, está sempre à venda e como o dinheiro distribuído aos montes por Rodrigo. A ele não pertence, não doe e nem faz falta. A cidade, a saúde, a educação e a segurança, lamentam.

Ele apresenta de tudo como um mostruário de perfeitas ações. Veio do PT para o PV, para um salto de dominação e sufocação tomar o PDT de Brizola. Se não fosse isso o candidato natural deste partido dominado seria o Felipe Peixoto, pedetista histórico, seguidor e admirado por Darcy Ribeiro e Brizola. Esse merece ganhar esta eleição, trazendo Niterói para a razão e livre do seqüestro das idéias. Rodrigo e seus “sucessores” estão fazendo do PDT histórico de João Sampaio e Jorge Roberto Silveira, um mero trampolim para suas praticas, uma espécie de seqüestro político de uma legenda; e só para ficar bem na foto! Tomada na marra e cooptação!

Com saliva e tempo tudo é possível... Com pólvora, só para se igualar a Síndrome da Garganta, semelhante a um vôo de galinha, que em breve vai virar prato popular.

Oferecemos sugestões de votos em pessoas confiáveis, que não possuem mandatos: