Que Pesquisas São Estas?

Ao se aproximarem as eleições surgem comumente pesquisas dos mais variados institutos. As pesquisas são sempre feitas por amostragens e os cálculos são estatísticos. Elas, quando feitas corretamente e com isenção, apontam para possibilidades, embora, em muitos casos, o resultado final contrarie absolutamente os números anteriormente divulgados. Elas deveriam ser apenas instrumentos de informação e balizamento para a população. Entretanto, estamos no Brasil, e apesar de institutos sérios e de credibilidade, já assistimos fraudes grosseiras e absurdamente tendenciosas, como foi o caso da Proconsult nas eleições para o governo do Rio de Janeiro de 1982, que envolveu a Rede Globo e o falecido governador Leonel Brizola, num emaranhado de acusações e litígios. Consistia em um sistema informatizado de apuração dos votos, feito pela empresa Proconsult, associada a antigos colaboradores do regime militar. Os votos em branco eram contabilizados para outro candidato, enquanto a divulgação das “pesquisas de boca de urna” favoreciam e sustentavam a fraude.

A pesquisa quando manipulada tendenciosamente tem a característica e intenção de induzir o eleitor a erro, apontando falsas direções, com o intuito de valer-se do sentimento culturalmente difundido no Brasil, que é o eleitor ter a tendência de votar nos aparentemente ganhadores. Existe um nefasto e injusto desejo nas pessoas de se sentirem parte da disputa e como tal, preferem votar no candidato apontado como vencedor para sentir-se pessoalmente agraciado com a vitória. Chegam a dizer: “venci a eleição”. Este sentimento é utilizado pelos comitês eleitorais para através deste “calcanhar do marketing”, produzirem resultados positivos para seus candidatos, usando o sentimento egocêntrico alienado das pessoas para atingir seus objetivos “eleitoreiros”.  Foram recentemente divulgadas pesquisas  sobre as eleições municipais de Niterói. Ao conferirmos os números estranhamos as disparidades e alguns espaços vagos que remetiam a dúvidas. Estamos nas ruas diariamente. A nosso alimento é informação e relacionamento com as mais diversas camadas da população. Estamos cotidianamente indagando nas ruas, do jornaleiro, o motorista de taxi, o funcionário público, aos líderes de comunidades, até chegar aos letrados e profissionais liberais da cidade. Temos um grande avaliador que são os nossos ouvidos de repórteres. Resolvemos questionar por conta própria e fizemos informalmente uma pesquisa com 200 pessoas, utilizando o corpo a corpo e as ligações telefônicas aleatórias, apenas escolhendo regiões diferentes.

Na pesquisas de destes institutos encontramos dados perfeitamente aceitáveis, como a eleição do maior problema da cidade ser o trânsito. Para tanto não precisaria nem pesquisa. Todos repetem a mesma resposta.

A reprovação atual da administração do Município, por regiões, na Norte, Oceânica, Pendotiba e Praias da Baia, variam entre 72% a 76%. Estes números são inteiramente distantes do que checamos. Não divulgaremos nossos números, pois não estamos autorizados pelo Tribunal Regional Eleitoral. Para divulgarmos nossos números teríamos que ter uma licença do Tribunal. Mas, podemos afirmar que estes números pecam por absoluto exagero. Na nossa pesquisa existem rejeições para quase todos os candidatos citados e até para alguns não citados na pesquisa dos institutos. Inclusive o maior índice de rejeição que encontramos foi para uma personalidade da cidade que não foi citado nas pesquisas.

A questão da metodologia e direcionamento influi decisivamente no resultado final. É preciso olhar com cautela para números que podem estar errados, não apenas nos 3% de praxe, para mais ou menos, mas, para mais de 40%, como encontramos na nossa pesquisa informal.

As pesquisas dos institutos apontam para o favoritismo do deputado Rodrigo Neves, sobre o prefeito Jorge Roberto Silveira. Não queremos colocar estes dados como fraudulentos, mas onde fizeram esta pesquisa? No reduto do PT? Fizemos a mesma indagação com apenas dois pontos espontâneos: “Se eleição fosse hoje em quem você votaria?” e “ em quem você não votaria de jeito nenhum?”

A nossa surpresa foi apenas no que diz respeito aos números desencontrados. Será que não trocaram os dados? Os índices de rejeição entre os dois candidatos se aproximam. O Prefeito tem apenas a desvantagem de estar no exercício do mandato, com um desgaste inerente ao cargo e suas muitas conseqüências desfavoráveis deste exercício. Mas, mesmo assim, apesar do prefeito ter mais rejeição, não está em nenhum patamar estratosférico dos 72% com aponta a pesquisa.

Outra grande falha é necessariamente constar quase diminutamente dois nomes expressivos da política da cidade, embora não estejam se apresentando como pré candidatos. Consideramos impossível não haver citação espontânea expressiva de dois deputados estaduais: Plínio Comte Bittencourt e Felipe Peixoto. Na pior das hipóteses seriam mais bem citados. Menos de 1% é erro de coleta de dados.

O deputado Sergio Zveiter é colocado num patamar em desacordo com a sua última votação para deputado federal, que numericamente foi muito expressiva, fato que o credencia para disputa. Se vai ganhar ou perder, só as urnas dirão, mas, desqualificar o candidato com pequenos índices gera mais uma dúvida.

E o ministro Moreira Franco? Foi prefeito de Niterói, governador, deputado e ministro. É tratado como se estivesse fora do jogo. Ele é um possível candidato e não se pode subestimar...

O deputado Rodrigo Neves pode até vencer a eleição no seu partido (dia 26) e ser indicado para disputar a eleição municipal. Mas, dizer que o deputado Chico D”Angelo tem mais rejeição que ele, é no mínimo uma piada. Chico D”Ângelo tem níveis mínimos de rejeição. É um político de pouquíssimas áreas de atrito e goza de prestígio e afeto de tantos que o conhecem. Qual a intenção, fora à eleitoral, de carimbar D”Ângelo como mais rejeitado que o Rodrigo Neves?

Atenção eleitor de Niterói. Não se deixe impressionar por dados apresentados com aparência de desinteressados. Tudo em política gera interesses e papel branco aceita qualquer coisa. É só escrever.

Vamos aguardar os fatos, que serão muitos, até o meado de junho. Daí em diante será possível fazermos um perfil sensato (muito embora mutante) para decidirmos em quem votar. Esta eleição é decisiva para vida desta cidade. Se errarmos...

Rua Cônsul Francisco Cruz, 3 - Centro - Niterói/RJ

2019 | Design By Stilo