Política Bipolar

Se você acha que a CPI da Covid é uma peça dantesca, onde corruptos julgam prepotentes, acho que você está certo. Que coisa feia o que esse nosso parlamento e demais “órgãos julgadores” estão fazendo conosco.


Desde o início desta pandemia, a questão ideológica é a mais importante para políticos e imprensa, acabando por atingir as redes sociais com a mais natural quebradeira de bate-boca no combalido Facebook e no Whatsapp.

Polarizamos tudo porque somos um país miseravelmente dividido ideologicamente e é uma pena agirmos assim durante uma gravíssima e mortal pandemia, quando todos os partidos, segmentos da sociedade, religiões e o povo em geral deveriam ter um inimigo comum: o vírus.

Mas, não... O inimigo está dentro de nós, como mariscos famintos nos consumindo pelas entranhas e que nos limitam o raciocínio, nos revelando seres ignorantes, absurdamente individualistas e guerreiros de uma batalha perdida.

Ninguém deixará de escrever um dia o péssimo comportamento do brasileiro nesta pandemia.

Fomos jogados numa teia infernal pelo radicalismo exagerado dos biombos das redes sociais e muitos de nós olhamos quase hipnotizados como fracos bambis o bombardeio diário em nossos meios de comunicação sobre a pandemia.

Como disse antes, estamos a sós na escuridão da ignorância, brigando por algo que não deveríamos brigar, e que na verdade deveríamos juntos conquistar, que é uma vida melhor, ainda que na pandemia.

Num verdadeiro país todos já sabem quem é o inimigo comum: o vírus.

Todos os países no mundo arregaçaram as mangas e trataram de esquecer diferenças ideológicas, partindo para cima do único inimigo, encontrando e apoiando as soluções.

A culpa é nossa? Sim. E acho que as redes sociais desempenharam um papel fundamental em aumentar a leveza do gatilho da agressividade.

Com exemplo, em um grupo do whatsapp onde sempre transcorreu um clima bipolar de briga entre direita e esquerda, lá pelas tantas, um dos participantes, disse desejar que todos os “idiotas que pensam assim deveriam morrer”.

Levei um susto. Não com a habitual agressividade desse participante, mas com a facilidade como desejou a morte de outros.

Sempre achei que esse participante fosse um jovem, cujos hormônios aquecidos confundissem a sua mente juvenil. Mas, não. Olhei a foto e lá estava uma pessoa de seus quase 50 anos. Absurdo.

É nesse clima de sentimentos toscos que vamos seguindo tentando sobreviver durante essa grave pandemia.

Já disse para uma jovem na semana passada: sabe essa história de esquerda, direita, pandemia, CPI...? Isso tudo é um lixo tóxico causado por nós mesmos, seres humanos mais imperfeitos que antes. Quando você crescer e encontrar uma dificuldade desse tamanho, do tamanho do mundo, olhe para o seu lado e pense sempre em quem está ao seu lado no ônibus, no metrô, nas calçadas. Não importe o que ele seja, de qual partido, cor ou orientação sexual. Apenas diga para ele: conte comigo e eu conto com você. Vamos vencê-lo.

Acho que faltou isso aos nossos beligerantes pais, resultados de uma geração pós-2ª guerra.

Todos nós precisamos, nesse momento, além de muito amor da família e amigos, de psicólogo, psiquiatra, analista... Enfim...

Está todo mundo assustado e, por causa disso, agressivo quando então deveriam buscar a paz.