O Retorno ao País Sem Lei

É preciso tomar muito cuidado com o que ouvimos e lemos atualmente. Não importa que um site pareça honesto ou aquela publicação tenha uma boa aparência. Nesse momento brasileiro tudo é possível no meio desses expedientes maldosos, que fazem mentiras sórdidas parecerem verdades absolutas.

O grande Sindicato dos Crimes (de todas as categorias e formas), comandados por políticos inescrupulosos entrou em desespero e está jogando pesado e com todas as cartas e fichas. Já tiveram a estrutura central da organização avariada pelas descobertas, prisões de líderes e confisco de fortunas roubadas pela Lavajato.

Nesse momento a estratégia é desacreditar instituições e pessoas, invertendo a situação de imagem na mídia venal e na internet: eles (os criminosos) se apresentam como vítimas e os juízes e procuradores e policiais federais como bandidos.

Basta ver esta manobra de hackers invadindo telefones de autoridades para, (baseados em supostas mensagens) desacreditar a Lavajato, procuradores e juízes. O grande objetivo é anular sentenças consolidadas, julgadas por colegiados em segunda e terceira instancias, com benefício em destaque para o bandido chefão, o Lula da Silva. Os membros dessa organização criminosa não tem limites, e no desespero de estarem sendo investigados e que a sua hora também vai chegar, estão ficando loucos e atirados.

E ainda existem os mais disfarçados, que tentam não ter aparentes ligações com estes membros da ORCRIM, mas, os ajudam “por debaixo dos panos”.

Não levem a sério o que eles dizem, aparentemente sem pretensão, mas, carregados de veneno e destilando ódio, pois sabem que em algum momento sua hora também vai chegar.

O melhor exemplo de desespero foi o ataque do deputado Federal Glauber Braga (PSOL) ao ministro da Justiça, Sergio Moro, na audiência em que ministro se propôs a esclarecer dúvidas dos deputados sobre as ilegais e suspeitas mensagens clonadas do seu telefone no Whatsapp. Ele covardemente, como um réptil que se esgueira nas sombras, criou um expediente escapista de fazer uma “analogia”, referindo-se a um jogo de futebol, onde o juiz da partida orientaria jogadores aliados a terem desempenho combinado para vitória. Na mesma linha, se arrastando, disse que Moro futuramente teria referencia na história como um juiz ladrão. Usou o jargão popular e agressivo, que definem maus juízes de futebol, pois não teria a coragem, nem a estatura, ou razões plausíveis para fazer uma afirmação tão estapafúrdia a respeito de Sergio Moro. Ladrões são aqueles que desviaram grandes somas do dinheiro público, que usam como desculpa para os delitos recorrentes, ser uma “expropriação”. Essa é a desculpa mais descabida que usam para dissimular o assalto aos cofres públicos, para benefícios pessoais. São incalculáveis as fortunas do Lula e José Dirceu, e muitos membros petistas, isso sem falar de comparsas em outros partidos, especialmente no PP e MDB. Esta manobra rasteira poderia resultar no reingresso na sociedade de figuras como, Eduardo Cunha, Sergio Cabral, Carlos Miranda, Pezão, Paulo Melo, Geddel Vieira Lima, Paulo Preto (PSDB) (145 anos de pena), João Vaccari Neto e André Vargas (PT), Pedro Correa (PP), Gim Argello, Guido Mantega; além de livrar a cara da Dilma, Renan Calheiros, Collor, Jucá, Temer, Lobão, Palocci e Garotinho. Ainda, os operadores e destruidores da Petrobrás, de Marcelo Odebrecht, irmãos Batista, Leo Pinheiro. Eike Batista, e mais de centenas de vagabundos de escalão mais baixo, além do Lula e José Dirceu. De volta ao país do caos!

O que esta gente quer é que o país volte a ser a terra sem lei e justiça, sem verdade, numa roleta russa de corrupção e delitos cotidianos.

Rua Cônsul Francisco Cruz, 3 - Centro - Niterói/RJ

2019 | Design By Stilo