Missão Impossível

Tenho muita pena deles, e sei que a falta de treinamento e até mesmo de vivência social condiciona esses motoristas e cobradores serem tão rudes. Os “funcionários” do Consórcio Oceânico em especial. Eles são analfabetos funcionais. Dizem saber ler, mas não interpetram e alguns não sabem ler mesmo!

Eles são obrigados a escrever um tipo de relatório sobre passageiros idosos que usam o transporte sem o tal cartão do idoso, A lei faculta aos de mais de 65 anos a gratuidade das passagens mediante apenas a apresentação da carteira de identidade. Mas, os empresários do transporte os obrigam a preencher um formulário com todas as informações do passageiro, inclusive o trajeto e a que horas. Para esses cobradores e motoristas essa é uma “missão impossível”. Como vão ler o documento e colocar as informações no lugar certo? Isso é demasiado para eles com a parca instrução disponível.

E eles ficam com raiva do idoso, como se fosse o responsável pelo vexame. Aí, pára a viagem, incomoda os passageiros que pagaram e não tem nada ver com a situação e nem com a gratuidade do idoso; e nem quer ser atrasado...

Dilema social na tela: e os tais motoristas são obrigados a preencher o famigerado relatório.

A situação chega a extremos. Outro dia presenciei uma senhora de uns 75 anos testar o seu passe\cartão de idoso e não funcionar. Falou para o motorista sobre a dificuldade. Ele deu com os ombros como se dissesse que nada podia fazer. A senhora constrangida encaminhou-se para saída e ia descer do ônibus sem solução quando eu lhe disse: “a senhora tem carteira de identidade?” Ela respondeu que possuía. Então eu lhe disse: Apresente ao motorista, Ele vai preencher um relatório e a senhora vai poder viajar sem o seu cartão de idoso. É sem favor, É a lei!

O motorista me olhou com ódio. Parou o ônibus e começou a sua luta para conseguir ler o documento e preencher aquelas intermináveis cinco perguntas.

Essa é a nossa realidade social. Um condutor de um coletivo, responsável pela nossa segurança que não sabe ler, escrever e muito menos interpretar. E ainda tem “empresários” de ônibus que impõe aos seus funcionários uma função que eles não sabem desempenhar. Sabem dirigir um ônibus, mas, ler e escrever é uma missão impossível. Se formos averiguar a razão de tanto ódio, é que a grande maioria desses empresários está na mesma situação. Sabem ganhar muito dinheiro, mas, ler, escrever e interpretar é uma missão mais impossível ainda.