Game Comunista?

O tradicional e monótono exterior de um prédio dos anos 70 em um bairro industrial de Varsóvia esconde as atividades da empresa de games CD Projekt, onde desenvolvedores, roteiristas e outros membros do estúdio criam seu próximo sucesso global.

A maior economia da Europa Oriental, a Polônia silenciosamente se transformou em uma das principais exportadoras de videogames, graças aos baixos custos de mão-de-obra, uma força de trabalho jovem e educada e uma próspera tradição enraizada na disciplina.

Após a bem sucedida série "The Witcher", da CD Projekt, e de colocar o país no mapa, investidores estrangeiros estão à procura de desenvolvedores promissores num mercado em rápido crescimento.

Segundo os fundadores o mundo começou a notar a Polônia ao ponto que já trabalham com parceiros da Finlândia em mais um projeto inovador. O crescente mercado de videogames e eSports da Polônia valia US$ 664 milhões em 2019 - acima dos US$ 400 milhões em 2014 - e deve subir para quase US$ 850 milhões nos próximos quatro anos, segundo dados da PwC.

O sucesso do mundo de fantasia medieval "The Witcher" foi um dos principais impulsionadores do crescimento. Baseado numa popular série de livros poloneses, que foram usados também como base para uma série que estreou em dezembro, os jogos venderam mais de 40 milhões de cópias em todo o mundo.

O lançamento, ainda neste ano, do jogo de aventura futurista "Cyberpunk 2077" deve aumentar o foco no setor, que teve oito empresas listadas na principal bolsa de valores polonesa entre 2015 e 2019.

O amor da Polônia por videogames vem desde o período comunista do país, quando estudantes corriam para os mercados de rua para comprar jogos piratas. Quase metade da população de 38 milhões de pessoas da Polônia se identifica como "gamer", e existem cerca de 400 empresas do setor ativas - superando uma estimativa de 12 na Alemanha - com cerca de 100 títulos poloneses chegando ao mercado global a cada ano.

O país abriga um festival internacional de videogame, além de um dos maiores eventos de eSports do mundo, o Intel Extreme Masters, que em 2019 atraiu 232 milhões de espectadores. O governo tomou conhecimento do crescimento do setor, distribuindo cerca de 300 milhões de zlotys por meio de um programa financiado pela União Europeia para conceder a desenvolvedores em estágio inicial financiamento para ajudar a tirar do papel seus projetos de games.

Rua Cônsul Francisco Cruz, 3 - Centro - Niterói/RJ

2019 | Design By Stilo