Documentos a Peso

O deputado Antony Garotinho entregou à CPI do Cachoeira, 68Kg de documentos, que segundo ele são provas da ligação do governador Sergio Cabral com a Empreiteira Delta, comprovando desvios de conduta, superfaturamento, fraudes e outras irregularidades. Cabral é amigo do empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Delta, apontada como parte do esquema de Cachoeira e maior recebedora de recursos do governo federal nos últimos três anos.

Em vista disso, a tropa de deputados que exige a convocação de Cabral na CPI tomou fôlego e se movimenta, não só para convocá-lo para depor na CPI, como para evitar uma nova blindagem, com aconteceu em maio, onde Cabral conseguiu se livrar de depor. Ao que tudo indica Cabral vai ter mesmo que depor. Será inevitável e incontornável.

A assessoria do governador declara que os documentos apresentados por Garotinho são denúncias infundadas e ilegítimas.

Por hora, Cabral faz “cortina de fumaça” anunciando que vai renunciar ao governo e conduzir o vice Pezão ao seu lugar. As bases do PT já ficaram preocupadas, pois os acordos, como apoiar o Senador Lindberg Farias ao governo do Estado em 2014 e a atual e suposta devoção em apoio ao candidato a prefeito em Niterói Rodrigo Neves ficam ameaçadas. 

Ruim de qualquer forma: Se está fazendo pressão ao governo Federal para garantir sua nomeação como embaixador do Brasil na França, ameaçando abandonar os petistas, fica mal, pois assina a confissão de traição vingativa ou chantagem indiscriminada. Embora seja patente que já tenha planos de apoiar Eduardo Paes para governador e introduzir o seu filho, o Cabralzinho, nos meandros da política e elegê-lo prefeito do Rio de Janeiro em 2016. Faz a manobra de volta ao “doméstico” e supostamente controlável, pois vê que se afastam dele qualquer chance de ser candidato à vice-presidência da república em 2014.

Se for uma manobra para enganar a todos que não está ligado ao petista Rodrigo Neves, em Niterói, com medo de carimbar nele os efeitos devastadores que terão seu depoimento na CPI, não convencerá ninguém e trará prejuízos ao afilhado, que ficará com aparência de cumplicidade e de ludibriar os eleitores.

A esta altura, Rodrigo Neves já dispensa qualquer aparência de aliança com o governador, embora seja quase impossível “descolar” sua imagem do Sergio Cabral. 

Garotinho é candidato ao governo em 2014 e está aplanando a sua estrada afastando os adversários e contando com um deslize do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ligando-o ao escândalo da Empreiteira Delta e ao Carlinhos Cachoeira. Por enquanto, Paes é candidato a prefeito do Rio de Janeiro, com amplas chances de se eleger. Somente um escândalo comprovado o derrubaria. 

Por outro lado, a situação da CPI se complicou ainda mais com a morte suspeita do policial Federal Wilson Tapajós Macedo, participante da Operação Monte Carlo, que levou Carlinhos Cachoeira e seus parceiros para a cadeia. Os políticos ligados ao esquema estão em pânico, temerosos de que o Cachoeira, depressivo e revoltado resolva contar tudo que sabe.  Neste caso, as complicações seriam imprevisíveis, mas certamente punitivas e arrasadoras de projetos e imagens de pessoas, até o momento não citadas e insuspeitas.

Sergio Cabral se tornou um apoio eleitoral perigoso e dúbio. Por mais que disponibilize recursos da máquina governamental, (incluindo as secretarias que ofereceu aos três mais fortes candidatos ao cargo de prefeito em Niterói, que estão intocáveis), preservando todos os cargos de indicação dos então secretários, ninguém quer se arriscar a estar perto quando uma possível bomba moral vier a explodir, caso o governador tenha que se explicar na CPI, que terá uma grande carga negativa, por mais que consiga defender-se. De qualquer forma, o saldo será negativo e eleitoralmente destruidor.

 O deputado Garotinho seguirá na sua determinação de provar que o governador Sergio Cabral e seus aliados estão todos envolvidos nesta teia de delitos deploráveis ligados a Empreiteira Delta. Ao mesmo tempo, aumenta o seu poder de convencimento do seu eleitorado, fazendo atualmente crescer a popularidade da sua filha deputada estadual Clarissa Garotinho e a re-eleição da sua mulher Rosinha Garotinho a prefeitura de Campos. Como novos aliados conta com Cesar e Rodrigo Maia, crescendo a força de oposição a Sergio Cabral.

Rua Cônsul Francisco Cruz, 3 - Centro - Niterói/RJ

2019 | Design By Stilo