Carta ao Coronavírus


Logo que você apareceu por aqui em nossas terras tropicais, coronavírus ouvi muita estória, piadas, loucuras, mentiras e verdades sobre você.

Sempre foi dito que você chegou por aqui em fevereiro desde ano. Eu sei. Você veio curtir o nosso carnaval com aquelas pessoas felizes pulando, gritando e suando dentro de multidões nas ruas. Mas a maioria não prestou atenção.

Mas soube que você já andava por aqui bem antes e ninguém sabia. Isso porque existe um exame que descobriu seu DNA até em esgotos na minha cidade. E em outros lugares, o exame vinha até com a data da sua estadia.

Com a sua partida rápida da China, onde você nasceu ou foi criado (não importa como porque você é ruim de qualquer maneira), o mundo começou a mudar.

Você entrou em lares e países onde arrasou geral! Atacou lares dos idosos italianos e de outros países do velho continente. Você se deu bem por lá.

Mas o pessoal da Europa já passou por várias guerras e não se iludiu com a sua maldade e resistiram bravamente. Por lá, eles se ajudam muito no momento de crise. Sabe por quê? Porque no velho continente eles já sentiram fome e frio. Viram pessoas que amam sumirem nas guerras. Sabem dividir o que tem. Sabem ser ricos e sabem ser pobres.

Então, cansado dessa vida na Europa, você pegou um avião e veio para as Américas.

Foi até bem recebido por aqui, com os aeroportos que nem tinham termômetros e muitos nem acreditavam no vírus e seu potencial em pessoas com comorbidades.

Há essa palavra começou a transitar pela imprensa recentemente. Novidade.

Alguns jornais, principalmente os da televisão, começaram a falar muito de você, coronavírus. E fizeram uma campanha para que todo mundo ficasse em casa assistindo televisão. Claro que eles estavam pensando também nas suas contas e precisavam ganhar dinheiro.

Mas teve governador aqui que faturou uma baba por sua causa.

Pegaram o dinheiro forte que receberam para construir uns hospitais de campanha e roubaram tudo. Sabe como é, coronavírus, aqui no Brasil o importante é “se dar bem” e ser corrupto se transformou praticamente numa profissão. Usar tornozeleira eletrônica não evita o vírus, mas tem um montão de corrupto usando e até com muito orgulho e dizem que fazem parte de uma casta privilegiada da sociedade, por cumprirem pena em casa tomando conta do dinheiro roubado. No fim, eles saem sorrindo.

Prezado coronavírus, sei que você está fazendo um estrago por aqui. Perdi até uns conhecidos e amigos, infelizmente. Chorei. Mas assisti tanto os telejornais que quase morri de medo e depressão.

Um dia, meses depois que você chegou, fui caminhar na praia e ouvi no rádio que o sol faz bem. Então o até agora inimigo sol agora faz bem. Coronavírus acho que só tem um jeito de acabar com você: é usando uma vacina. Vacina de bons pensamentos, de respeito às leis. Uma vacina que cure a corrupção e o fanatismo político.

Nunca pensarei numa vacina para substituir todos do STF porque tem um cara lá, careca e que nunca foi juiz na vida, que manda prender todo mundo que fala mal dele. Nem brincadeira ele topa, coitado. Espero, coronavírus, que você não fique perto dele e conte pra ele o que escrevi aqui. Pode ser que ele fique irritado e me mande prender. E isso com apoio de vários representantes da grande imprensa.

Desprezado coronavírus, por favor, quando você for embora, não se esqueça de acender a luz antes de bater a porta. Pode ser que ela ilumine a inteligência e traga de volta o bom humor tão em falta por aqui. Adeus!

Rua Cônsul Francisco Cruz, 3 - Centro - Niterói/RJ

2019 | Design By Stilo